O Engenho e a Reforma

Ficha Técnica

Série: Ligas Camponesas
Apresentação: Patrícia Pinheiro e Camilla Iumatti Freitas
Roteiro: Patrícia Pinheiro e Thiago Oliveira
Produção: Barquinho e Antropotretas
Edição: Leonardo Pinheiro
Mixagem: HP Rodrigues
Música: HP Rodrigues
Arte: Thiago Oliveira
Publicado em: 28/10/2021


Em 1955, no município de Vitória de Santo Antão, uma pequena cidade na zona da mata pernambucana, os trabalhadores que viviam no Engenho Galileia se rebelaram contra o regime de uso da terra imposto aos trabalhadores agrícolas. Naquela altura viviam ali mais de mil trabalhadores organizados em quase 150 famílias que dividiam pequenos lotes de terra dos quais eram responsáveis pelo cultivo desde a extinção das atividades do Engenho na produção de açúcar, na década de 1940. Estimulado pelas revoltas e insurgências que se espalhavam e eram animadas por movimentos e partidos de Esquerda, as pessoas que trabalhavam em Galileia buscavam o fim do regime de arrendamento da terra e também a garantia de condições mínimas de trabalho e vida. Em síntese, foi aí também que nasceu a Liga de Galileia, a primeira liga organizada de trabalhadores rurais no Brasil. Enfim, a primeira liga camponesa.

A história do Engenho Galileia foi o ponto de partida para a construção e consolidação de outras ligas pelo país inteiro, especialmente no Nordeste. Ela também é nosso passaporte para entender as mobilizações que aconteceram no mesmo período nas pequenas cidades da zona da mata e agreste paraibano sobre as quais falaremos ao longo da série Ligas Camponesas.

O primeiro episódio já está disponível e você pode ouvi-lo aqui, no Spotify, em outros tocadores e também no YouTube.

Nesse episódio tentamos reconstruir o cenário político e de discussões que davam sentido às reivindicações camponesas na primeira metade do século passado. Essas reivindicações vinham da crescente presença e articulação de movimentos revolucionários e de partidos políticos de esquerda, e também de uma tensão governamental em torno de reformas estruturais que atentassem para a realidade dos trabalhadores por todo o país. Essas são questões importantes e que tiveram como contrapeso as assimetrias na distribuição do poder e, no caso do Nordeste, a própria configuração da distribuição de terras.

Nesse episódio vocês vão conhecer esse cenário, e também alguns personagens marcantes que nos acompanharão ao longo dos próximos episódios.

Créditos: O depoimento de Elizabeth Teixeira que apresentamos no início foi produzido pela TV Pernambuco e a reportagem sobre as reformas de base é um registro do Arquivo Nacional. A entrevistas com Gilney Viana foi realizada em agosto de 2021 e faz parte do acervo do projeto.

Outras recomendações
Projeto de Lei da Reforma Agrária de 1962
Decreto 979, de 1903
História da CONTAG
I Congresso de Lavradores e Camponeses sem Terra, por Leonildes Medeiros
Registros do Engenho Galileia no Museu da Democracia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: